"Se não te agradar o estylo,e o methodo, que sigo, terás paciência, porque não posso saber o teu génio, mas se lendo encontrares alguns erros, (como pode suceder, que encontres) ficar-tehey em grande obrigação se delles me advertires, para que emendando-os fique o teu gosto mais satisfeito"
Bento Morganti - Nummismologia. Lisboa, 1737. no Prólogo «A Quem Ler»

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

José F.Vicente Leilões – Importantes Leilões de Manuscritos e Livros



Este já nosso conhecido leiloeiro vai realizar mais dois leilões que apresentam obras de grande interesse bibliófilo e coleccionistico para além de relevância histórica de alguns dos documentos incluidos no leilão de Manuscritos.


Leilões

Faça à elevada qualidade das peças em praça, interrogo-me sobre os valores de arrematação que serão atingidos nos tempos de crise como são estes que atravessamos, pois há peças que são de alta raridade e de grande procura bibliófila.

O Leilão de Manuscritos decorrerá no dia 10 de Dezembro de 2012 às 21h como é costume no Palácio da Independência localizado no Largo de São Domingos, 11 (ao Rossio) em Lisboa.

Os documentos estarão em exposição nos dias 8, 9 e 10 de Dezembro das 15h às 20h no mesmo local.





Vejamos alguns exemplos destes mesmos lotes:



007 ATOUGUIAS. Conjunto de 3 peças: Titulo dos Corr.as de Atouguias tresladº fielmte do Lº Genealógico das Famílias sde Portugal escritas pelo Snr. Assº de Torres, estoriadas e acabadas em o anno de 1706; Assentos referentes a Caza tirados dos livros das Freguezias de Sta. Maria e S. Pedro, e do Convento dos Capuchos Fronteiro quaze a esta Qta. de Sto. Antº em Torres Novas anno de 1799 e uma Árvore Genealógica desta família, datada de 1838. Documentos acondicionados numa caixa-estojo moderna inteira de pele.
Conjunto importante.



020 CANTOCHÃO. IMPONENTE CANTOCHÃO DO SÉCULO XVII/XVIII, EM PERGAMINHO, contendo 130 folhas + 1 de Índice, algumas com as capitulares iluminadas. Conserva a encadernação da época em madeira, forrada a couro, com ferros metálicos e broxos, com falta dos fechos. Lombada com defeitos e faltas de pele. Algumas folhas com pequenas manchas provocadas por pingos de cera.
Medida: Altura 60cm. A primeira folha está pregada na guarda da frente, não sendo visível o verso.



Cantochão é a denominação aplicada à prática monofônica de canto utilizada nas liturgias cristãs, originalmente desacompanhada. Historicamente, diversas formas de rito cristãos, como a Moçárabe; Ambrosiana ou Gregoriana organizaram a música utilizada em repertórios, a partir daí intitulados a partir do rito do qual fizessem parte: Canto Gregoriano; Canto Moçárabe e Canto Ambrosiano, por exemplo.



Formadas principalmente por intervalos próximos como segundas e terças, melodias do cantochão se desenvolvem suavemente, sendo o ritmo baseado na prosódia dos textos em latim. O cantochão é o principal fundamento da chamada música ocidental, sobre o qual toda a teoria posterior se desenvolve, ao contrário de outras artes que apontam para a época clássica da civilização greco-romana, ou até mesmo fontes anteriores. O cantochão é também a música mais antiga ainda utilizada, sendo cantada não só em Mosteiros como também por coros leigos no mundo todo.



039 COELHO, António Fernandes. - Importante arquivo do Conselheiro e Ministro António Fernandes Coelho, constituída por dezenas de documentos, relativos a cartas a si dirigidas, exilio em Londres, documentos pessoais e políticos, cartas régias de D. Pedro IV, D. Maria II e D. Fernando II, etc.

Conjunto de grande importância para a história política da época. Fernandes Coelho foi ministro no Governo de Sá da Bandeira e subscritor da Constituição de 1838. Na sequência da eleição de 20 de Novembro de 1836, surge, entre os deputados eleitos, um grupo não afecto aos radicais nem aos novos governamentais e distinto dos cartistas. Provêm da antiga oposição moderada ao regime chamorro, sendo constituído por Lumiares, Taipa, Sabrosa, Garrett, Fronteira, Visconde da Fonte da Arcada, Manuel Castro Pereira e Derramado, núcleo central a que, depois, aderem o general João Lacerda, António Fernandes Coelho e António Dias de Oliveira. A posterior revolta dos Marechais e as sucessivas revoltas radicais, bem como o abandono do governo por parte de Passos Manuel leva a que este grupo vá assumindo o poder, sendo conhecidos como os setembristas moderados.
Consolida-se o modelo quando, em 4 de Abril de 1838 surge uma ampla amnistia, logo criticada por Passos Manuel e Vieira de Castro, mas que obtém o apoio de Rodrigo da Fonseca, Silva Carvalho e António José de Ávila, chegando a falar-se no partido do 4 de Abril de 1838. (In Respublica). Pertenceu á Maçonaria do Norte. Contém algumas cartas pré-filatélicas. Acondicionados em caixas-estojo inteiras de pele.



042 COMPROMISSO INSTITUIDO PELOS MAREANTES DO MAR DA VILLA DE ALDEA GALEGA DO RIBATEJO: PRIMEIROS IRMÃOS & CONFRADES DA IRMANDADE DE NOSSA SENORA DA CONCEIÇÃO; SITA NA IGREJA MATRIZ DO ESPIRITO SANCTO DA DITA VILLA. Aos doze dias do mes de feuereiro de mil seiscentos e oito annos. In-8º de 20 Fls. Enc.

Manuscrito do Compromisso dos Mareantes da Vila Aldeia Galega do Ribatejo, hoje cidade do Montijo. Pintura policromada de Nossa Senhora da Conceição em página inteira e capitulares.



decoradas. Bela caligrafia muito legível. No final dos capítulos, em três páginas, a autorização dada por Filipe II e renovada por Alvará, em duas páginas de Filipe IV, em 1638. Em outras duas páginas, no final, uma Ordem de D. Maria I a declarar nulo o visto de confirmação de penhora aos oficiais da Irmandade e mandando passar Provisão de Confirmação, pela qual foi paga a devida quantia em 30 de Outubro de 1782. Outras disposições entretanto tomadas, encontram-se registadas no manuscrito. Peça muito importante para a História da Vila do Montijo e ainda para a história religiosa do início do século XVII.
Encadernação da época inteira de carneira, bem conservada. Peça de colecção.



088 HERCULANO, Alexandre. - 6 CARTAS DE ALEXANDRE HERCULANO ENVIADAS A JOAQUIM FILIPE DE SOURE. Tratam de assuntos históricos e literários.

Alexandre Herculano de Carvalho e Araújo, 1810-1877 foi um escritor, historiador, jornalista e poeta português da era do romantismo. Herculano foi o responsável pela introdução e pelo desenvolvimento da narrativa histórica em Portugal. Juntamente com Almeida Garrett, é considerado o introdutor do Romantismo em Portugal, desenvolvendo os temas da incompatibilidade do homem com o meio social. Alexandre Herculano casou, em 1 de Maio de 1867, com Mariana Hermínia de Meira. Morreu na sua quinta de Vale de Lobos, Azoia de Baixo, (Santarém) em 13 de Setembro de 1877. Encontra-se sepultado no Mosteiro dos Jerónimos. Joaquim Filipe de Soure (Évora, 1805-??) foi um magistrado e político português, que exerceu as funções de deputado às Cortes e de Ministro. Foi deputado em 1834 e presidente da Câmara dos deputados em 1857 e Ministro dos Negócios Eclesiásticos e da Justiça no Governo do Entrudo.



140 NOBRE, António. - EXTENSA CARTA DE ANTÓNIO NOBRE ENVIADA A MOTTA GOMES. Datada de Vila Garrett, Sabbado. 29-II-1896. Carta literária, fala também da sua doença e das melhoras registadas. 1 Fl. In-4º

António Nobre,1867-1900, nasceu no Porto, matriculando-se em 1888 no curso de Direito na Universidade de Coimbra. Como os estudos lhe corressem mal, partiu para Paris onde frequentou a Escola Livre de Ciências Políticas, licenciando-se em Ciências Jurídicas. De regresso a Portugal, tenta entrar na carreira diplomática, mas a tuberculose impede-o. Doente, ocupa o resto dos seus dias em viagens a procurar remédio para o seu mal, da Suíça à Madeira. A sua obra Só, publicada em 1892 é um marco da poesia portuguesa. Faleceu ainda muito novo na Foz do Douro.



194 TRATADO DE AMISADE E COMMERCIO ENTRE SUA MAGESTADE FIDELISSIMA ELREI DE PORTUGAL E SUA MAGESTADE O IMPERADOR DA CHINA. Macau. 1886. In-8º de [2], 75 págs. Enc.

“Cópia exacta do Tratado Luso-Chinez celebrado em Tien-Tsin a 13 de Agosto de 1862, transcripta do texto original em China e Português, ao qual me reporto. Macao, Repartição do expediente cinico 5 de Julho de 1886. Pedro Nolasco da Silva”. Edião bilingue, português e chinês. Localizada a cerca de 100 quilómetros de Pequim, na China, a cidade de Tien-Tsin (ou Tientsin) foi palco da assinatura, a 13 de agosto de 1862, de um acordo diplomático entre o império chinês e o reino de Portugal, no sentido daquele reconhecer a plena soberania e posse do território de Macau pelos Portugueses. À frente da delegação portuguesa, como ministro plenipotenciário, esteve Isidoro Francisco Guimarães, mais tarde visconde da Praia Grande, filho de Isidoro Francisco Guimarães, tendo sido bacharel de Direito, comendador da Ordem de Avis, Cavaleiro de Nossa Senhora da Conceição, de Cristo e da Torre de Espada e chefe da Esquadra Real. Este acordo legitimou assim a plena posse por parte de Portugal, perante a China e a comunidade internacional, de Macau, que teve em Tien-Tsin a formulação de uma base legal legitimadora da presença lusa naquela cidade no estuário do Rio da Pérola. Recordese que este acordo diplomático era imperativo e urgente, pois, na mesma cidade, quatro anos antes, em 26-27 de junho de 1858, os chineses tinha acordado com Ingleses, Franceses (depois destes terem ocupado a cidade um mês antes) e também com Norte-Americanos e Russos, facilidades de navegação nos mares da China por estas potências e a possibilidade de abrirem representações diplomáticas em Pequim. Assim, era de todo necessário a Portugal regularizar legalmente a sua posição em Macau, na China Meridional, de forma a manter os seus interesses na região e a posse do território." (In: Infopédia).

Peça de extrema raridade. Encadernação em tela, possuindo na pasta da frente os seguintes monogramas: “T. S. Roza. Offerecido por C. A. R. A.”

No que diz respeito ao Leilão de Livros, Fotografia e Pintura que se realiza nos dias 11 e 12 de Dezembro pelas 21h igualmente no Palácio da Independência em Lisboa.

A exposição prolonga-se de 8, 9, 10, 11 e 12 de Dezembro das 15h às 20h

1ª sessão – Lotes 1 a 450
2ª sessão – Lotes 451 a 902





Realce-se aqui uma extensa colecção camiliana que ocupa os lotes 118 e 119 e do lote 141 ao lote 238.

Vejam-se estes títulos como ilustrativo:



143 CASTELO BRANCO Camilo. – ANNOS DE PROSA. Lisboa. Livraria de Campos Júnior - Editor. S. data. In-8º de 284 págs. Enc.

Edição original de grande raridade. No mesmo ano, foi esta obra publicada com um segundo frontispício, onde se acrescentou A Gratidão e O Arrependimento. Encadernação meia de pele.
Conserva as capas de brochura. Em magnífico estado de conservação, só ligeiramente aparado a cabeça.



238 CASTELO BRANCO, Camilo. - VOLTAREIS, Ó CRISTO? Narrativa. Porto. Viuva Moré - Editora. 1871. In-8º de 33 págs. Enc.

Edição original. Muito rara. Encadernação moderna meia de pele. Com capas. Bom, exemplar.

De muitos outros titulos, alguns já bem nossos conhecidos, realço estes três:



072 BAYLE, Pierre. - DICTIONNAIRE // HISTORIQUE, // ET // CRITIQUE, // PAR... // TOME PREMIER // (AO TOME QUATRIÈME) // CINQUIÈME EDITION // REVUE, CORRIGÉE, ET AUGMENTÉE // AVEC LA VIE DE L’AUTEUR. // A Rotterdam, // Chez Michel Bohm. MDCCXX. 4 Vols. In-Fólio. Encs.

Colecção completa deste famoso dicionário histórico. RARISSIMO. De págs. 2370 a 2374 do Vol. III, decorre o artigo sobre Portugal. Encadernaçõesda época em inteiras de pele. Exemplares com algumas manchas de humidade, picos e cortes de traça, que atingem por vezes letras do texto e pequenos defeitos marginais.
Brunet, Tome I, cols. 711/712 descreve largamente esta edição.



412 FREIRE, Francisco José. – MEMORIAS // DAS PRINCIPAES // PROVIDENCIAS, // PADECEO A CORTE DE LISBOA NO ANNO DE 1755 // ORDENADAS, E OFFERECIDAS // Á MAGESTADE FIDELISSIMA DE ELREY // D. JOSEPH I. // NOSSO SENHOR // POR AMADOR PATRICIO DE LISBOA. // (Brasão de Armas de D. José I) // LISBOA. // M.DCC. LVIII. In-4º de [28], 355 págs. Enc.

Rara e valiosa. Segundo Inocêncio, Tomo I, pag. 54, a obra foi escrita sob pseudónimo. Há quem a atribua ao Marquês de Pombal, mas a maioria inclina-se para que o autor seja o Pe. Francisco José Freire (Cândido Lusitano). Admite-se que tenha sido impressa na oficina de Francisco Luis Ameno. Encadernação da época inteira pele com pequenos defeitos.



603 MULSANT, E. - LETTRES A JULIE SUR L’ORNITOLOGIE. Illustrées par Édouard Traviès de magnifiques dessins d’après nature, coloriés avec le plus grand soin. Paris. Anciem Maison Morizot. A. Laplace, Libraire, Éditeur. S. data (1868). In-4º de XII, 367 págs. Enc.

Rara. Bela edição, ilustrada com um anterrosto gravado e 16 águas-tintas extra-texto. Encadernação editorial em marroquin. Dourado por folhas. Pequeno carimbo a óleo no frontispício.

Bom aqui ficam estas minhas notas com um convite para a vossa leitura e consulta atentas destes bons catálogos.

Saudações bibliófilas.


2 comentários:

Galderich disse...

Impresionantes algunos lotes en venta. Hace poco comentabas que no pones los precios pero unos cuantos te agradeceríamos que los pusieses porque es intrínseco a la venta que nos expones.

rui disse...

Galderich,

Como tu, por vezes dizes, há lotes de “fazer nascer a água na boca” de tão apetecíveis que são.
Pena é que nas condições actuais tenhamos de dizer como a raposa da fábula de La Fontaine em relação às uvas “estão verdes” e seguir em frente como se não estivessemos interessados…

Quanto aos preços dos lotes, por uma questão de princípio pessoal, não gosto de os publicar.
O post não pretende promover a venda, mas mostrar tão somente a beleza da obra (seja ela tipográfica, qualidade das ilustrações ou o tipo de encadernação), a sua raridade e procura bibliófila ou o interesse histórico de um determinado lote, que me chamou a atenção num catálogo (que muitas vezes poderá nem ser das maiores raridades nele incluidas).

Tento é mostrar obras sempre diferentes para que ao longo dos diversos posts consiga transmitir uma ideia da nossa bibliofilia e do que por cá se colecciona.

Por essa razão, coloco sempre o link para a visualização do catálogo, de modo a que os mais interessados possam ler e consultá-lo mais atentamente e tentarem fazer as suas avaliações quanto às estimativas de preço apontadas pelos leiloeiros.
(nestas coisas há quem ponha a fasquia baixa enquanto outros a põem alta o que não dá uma ideia do valor mais aproximado de uma determinada obra: há pequenos “segredos” e técnicas de venda, como em tudo o mais, que cada leiloeiro maneja de acordo com os seus princípios).

Interessante, para mim, seria fornecer o preço final de arrematação de cada um dos lotes, por exemplo numa adenda a cada uma das postagens, mas aqui temos um problema: a grande maioria das leiloeiras não os fornece!
(como sucede no ebibliophilie ou no bibliorare.com onde podes consultar o catálogo de um determinado leilão e saberes os preços nele atingidos pelos diversos lotes)

É uma questão de princípio que só quebrei uma vez pelas razões que referi…