"Se não te agradar o estylo,e o methodo, que sigo, terás paciência, porque não posso saber o teu génio, mas se lendo encontrares alguns erros, (como pode suceder, que encontres) ficar-tehey em grande obrigação se delles me advertires, para que emendando-os fique o teu gosto mais satisfeito"
Bento Morganti - Nummismologia. Lisboa, 1737. no Prólogo «A Quem Ler»

domingo, 30 de dezembro de 2012

Bom Ano Novo / Happy New Year



Bom Ano Novo / Happy New Year

Chegados que estamos ao final de mais um ano, resta-me deixar aqui uma mensagem para o próximo ano que se vai iniciar.

Se é certo que muitas interrogações se nos colocam quanto ao futuro, não poderemos deixar morrer os valores que consideramos terem significado para lutarmos por eles, pois que a vida representa sempre um desafio para qualquer um de nós.

Esses valores podem ser, por exemplo, a defesa dos valores ambientais no esplendor da natureza que ainda nos rodeia ou, para nós bibliófilos, a defesa do património da história do livro e deste enquanto objecto de cultura.

Se olharmos atentamente para aquilo que nos rodeia poderemos apreciar a beleza de uma simples flor,


Uma flor...

ou maravilharmo-nos com a descoberta de recantos mais frondosos como um bosque nas margens dum rio.


As margens dum rio...

No campo bibliófilo, neste breve apontamento, quero prestar uma singela homenagem a todos os encadernadores que têm a “coragem” de me lerem ao apresentar um livro que vale sobretudo pela sua soberba encadernação.
(aliás foi pela sua encadernação que não resisti a adquirir este exemplar para a minha biblioteca)





Não me alongarei sobre esta pois creio que as imagens falam por si, darei apenas alguns apontamentos sobre a obra e o seu autor.





MOORE, Thomas Lalla Rookh: an Oriental romance. London: Longmans, Green, Reader & Dyer, 1868. New Edition. Whit sixty-nine illustrations from original drawings by John Tenniel, engraved on wood by The Brothers Daziel; and five ornamental pages of Persian design by T. Sulman, Jun. engraved on wood by H. N. Woods. 235x180 mm, XXIV, 381 pp.

Thomas Moore
Esmalte sobre cobre de Thomas Lawrence (séc. XIX)

Thomas Moore  was born at 12 Aungier-street in Dublin, Ireland, on 28 May 1779 over his father's grocery shop, his father being from an Irish speaking Gaeltacht in Kerry and his mother, Anastasia Codd, from Wexford. He had two younger sisters, Kate and Ellen.

Moore died being cared for by his wife at Sloperton on the 26th February 1852. His remains are in a vault at St. Nicholas churchyard, Bromham, within view of his cottage-home, beside his daughter Anastasia.

He was an Irish poet, singer, songwriter, and entertainer, now best remembered for the lyrics of The Minstrel Boy and The Last Rose of Summer. He was responsible, with John Murray, for burning Lord Byron's memoirs after his death. In his lifetime he was often referred to as Anacreon Moore.


Retrato de Thomas Moore cerca 1840s de Blunden, Edmund.
Leigh Hunt and His Circle.
New York: Harper & Brothers Publishers, 1930

Este seu livro Lalla Rookh: na Oriental romance foi publicado inicialmente em Maio de 1817.





"The title is taken from the name of the heroine of the frame tale, the daughter of the Mughal emperor Aurangzeb. The work consists of four narrative poems with a connecting tale in prose.

Engaged to the young king of Bukhara, Lalla Rookh goes forth to meet him, but falls in love with Feramorz, a poet from her entourage. The bulk of the work consists of four interpolated tales sung by the poet: The Veiled Prophet of Khorassan (loosely based upon the story of Al-Muqanna), Paradise and the Peri, The Fire-Worshippers, and The Light of the Harem. When Lalla Rookh enters the palace of her bridegroom she swoons away, but revives at the sound of a familiar voice. She awakes with rapture to find that the poet she loves is none other than the king to whom she is engaged.

The name Lalla Rookh, or Lala-Rukh (Persian: لالہ رخ‎), means "tulip cheeked" and is an endearment frequently used in Persian poetry."

Espero que tenham apreciado este exemplar não só pela sua encadernação mas também pelas suas belas gravuras.


2013

Antes de terminar, quero expressar os meus votos para todos os meus leitores para 2013:

“Estejam onde estiverem, e independentemente das actividades de cada um, desejo sinceramente que sejam sempre felizes!”
(parafraseando um título de Mario Vargas Llosa: "a felicidade está ao virar da esquina”) (1)

Saudações bibliófilas


(1) Referência ao título de um dos seus romances que mais me deleitaram: O Paraíso na Outra Esquina / El Paraíso en la otra Esquina (2003).


4 comentários:

Galderich disse...

Bon Any malgrat tot!

Angelo disse...

Rui, um feliz ano novo a você e à sua família.

Abraços.

Marco Fabrizio disse...

Rui.
Te deseo un muy feliz 2013

Urzay disse...

Muy hermoso este ejemplar, Rui, con su encuadernación orientalista en alusión al contenido.
Feliz año nuevo.