"Se não te agradar o estylo,e o methodo, que sigo, terás paciência, porque não posso saber o teu génio, mas se lendo encontrares alguns erros, (como pode suceder, que encontres) ficar-tehey em grande obrigação se delles me advertires, para que emendando-os fique o teu gosto mais satisfeito"
Bento Morganti - Nummismologia. Lisboa, 1737. no Prólogo «A Quem Ler»

sábado, 22 de julho de 2017

Lisboa na Frenesi Loja – algumas notas à margem



Lisboa - Jardim S. Pedro de Alcântara

Numa das minhas visitas virtuais a Frenesi Loja (http://frenesilivros.blogspot.pt/) encontrei um acervo de livros sobre temática olisiponense, que como “alfacinha”, não pude deixar de consultar com atenção.

É o resultado dessa consulta que vos proponho hoje para consulta e leitura.


Alfredo de Mesquita

Alfredo de Mesquita nasceu em Angra do Heroísmo, em 1871, e faleceu em Paris, em 1931. Foi jornalista, escritor, olisipógrafo e diplomata. Colaborou com os diários Democracia Portuguesa, Nacional, Portugal, Correio Nacional.



MESQUITA, ALFREDO DE – Alfacinhas. Capa de A. Quaresma. Lisboa, Parceria António Maria Pereira – Livraria Editora, 1910. 1.ª edição. 20 cm x 13 cm.208 págs.

Capa impressa retro e verso.
Exemplar estimado; miolo limpo
Discreta assinatura de posse no frontispício.

27,00€ (IVA e portes incluídos)



MESQUITA, ALFREDO DE – A Rua do Oiro. Romance LisboetaCapa de José Leite. Lisboa, Livraria Editora Viúva Tavares Cardoso, 1905. 1.ª edição. 18,7 cm x 12,2 cm. 304 págs.



Encadernação antiga em meia-inglesa com gravação a ouro na lombada, pouco aparado, conserva a capa anterior de brochura,assinatura de posse na pág. 5.
Exemplar estimado; miolo limpo.

30,00€ (IVA e portes incluídos)


Foto de Augusto Vieira da Silva
inserida no volume I de «Dispersos» (1954)

Augusto Vieira da Silva (1869-1951). Historiador e engenheiro português. Concluiu o curso de Engenharia na Escola do Exército em 1893. Foi sócio efectivo da Associação dos Arqueólogos Portugueses, membro da Academia de História, sócio honorário e primeiro presidente do grupo Amigos de Lisboa. Foi nomeado para a Comissão de Toponímia da Câmara Municipal de Lisboa em 1943. Alguns dos seus textos foram editados sob o título Dispersos Encontra-se colaboração da sua autoria na revista Feira da Ladra (1929-1943) e na Revista Municipal (1939-1973) publicada pela Câmara Municipal de Lisboa.



SILVA, AUGUSTO VIEIRA DA – As Muralhas da Ribeira de Lisboa. Lisboa, Typographia do Commercio, 1900. 1.ª edição. 25 cm x 16,5 cm. 304 págs. + 2 desdobráveis em extra-texto, ilustrado no corpo do texto em separado.



Encadernação em meia-inglesa, elegante gravação a ouro na lombada, aparado e carminado somente à cabeça, conserva as capas de brochura.

Exemplar muito estimado, restauros na capa anterior da brochura e nos desdobráveis; miolo limpo
Ostenta colado no ante-rosto o ex-libris do médico Gilberto Monteiro e as suas iniciais gravadas na lombada.

90,00€ (IVA e portes incluídos)



BRANDÃO (DE BUARCOS), JOÃO – Tratado da Majestade, Grandeza e Abastança da Cidade de Lisboa, na 2.ª Metade do Seculo XVI. Estatistica de Lisboa de 1552. Organização de Anselmo Braamcamp Freire. Prefácio e notas de J. J. Gomes de Brito. Lisboa, Livraria Ferin, Editora, 1923. 1.ª edição. 29,5 cm x 21,3 cm. XVI págs. + 280 págs.

Impresso sobre papel superior de linho.
Exemplar em bom estado de conservação, discreto restauro na lombada; miolo irrepreensível, parcialmente por abrir.
PEÇA DE COLECÇÃO.

120,00€ (IVA e portes incluídos)

Assim termina Gomes de Brito a sua Advertência Prévia:

«[...]. Em uma palavra, João Brandão, com o seu prurido de cronista da sua Lisboa bem amada, inverteu ou não o significado dos factos que regista, classificando-os justamente ao inverso do que lhe cumpria?

Para nós, não há duas opiniões. Onde neste livro se lê “Majestade”, deveria antes lêr-se “Miseria”, onde se lê “Grandeza”, deveria lêr-se “Mesquinhez”; onde, finalmente, se lê “Abastança”, deveria lêr-se “Pobreza”.

O livro porém, aí fica, e o leitor poderá fazer o seu juizo e apreciar quanto trabalho êle custaria ao seu autor, e quantas dificuldades foi necessário vencer para o comentar e esclarecer.»



AZEVEDO, LUIZ MARINHO DE – Fundaçaõ, // Antiguidades, e Grandezas // da mui Insigne Cidade // de Lisboa, // e seus VaroensIllustres // em Santidade, Armas, e Letras// Catalogo // de feus Prelados, e mais coufasEcclefiafticas, e Politicas até // o anno de 1147, em que foi ganhada aos Mouros por El-Rey // D. Affonfo Henriques. [...] Offerecida | á Fedelissima, e Augustissima // MagestadeDel-Rey // D. Joseph I. // Nosso Senhor // por feuminimovaffallo // Manoel Antonio // Monteiro de Campos [...].Lisboa, Na Officina de Manoel Soares (I. parte) / Na Officina de Domingos Rodrigues (II. parte), 1753 (ambas as partes). [2.ª edição]. 21 cm x 15,7 cm. 2 partes [livros I e II + III e IV] enc. em 1 volume (completo)

I parte: para além da folha de ante-rosto, encasada mas não pertencente aos cadernos do miolo, tem 30 págs. (não numeradas: rosto, dedicatória, prólogo, catálogo dos autores e licenças) + 170 págs. (livro primeiro) + 118 págs. (livro II) + 2 págs. (advertência); II parte: 2 págs. (rosto) + 266 págs. (livros III e IV).



Encadernação antiga inteira em pele mosqueada com gravação a ouro na lombada, vinhetas de florália acentuando as nervuras, pouco aparado.

Exemplar em bom estado de conservação; miolo limpo, leve acidez do papel.

Ostenta na folha de ante-rosto uma assinatura de posse coeva, «He de Jeronymo Bernd.º Osorio de Castro  custou 500 reis em 24 de Junho de 1754»

Carimbos da Quinta das Lágrimas de M. Osório no frontispício da I. parte e à margem da pág. 17 da mesma
RARA PEÇA DE COLECÇÃO

750,00€ (IVA e portes incluídos)

Do Diccionario Bibliographico Portuguez (tomo XVI [Brito Aranha], Imprensa Nacional, Lisboa, 1893):

«Parece que [Luiz] Marinho [de Azevedo] foi um dos redactores das primeiras gazetas publicadas em 1640, segundo uma nota manuscripta que se lia em um numero da Gazeta de 1641 existente na bibliotheca municipal do Porto. [...]

Acerca da obra [...] primeira parte da fundação, antiguidades e grandezas da mui insigne cidade de Lisboa, etc., é necessario advertir o seguinte:

Ha d’esta obra duas edições totalmente diversas, ambas com a indicação de impressas em 1753, em 4.º.

Uma d’ellas não tem nome do impressor, e indica simplesmente no rosto: “A custa de Luiz de Moraes, mercador de livros á praça da Palha. Lisboa, 1753”. Com dedicatoria assignada por Luiz de Moraes a el-rei D. José I.

A outra tem no frontispício: “Offerecida á fidelissima e augusta magestade de el-rei D. José I por Manuel Antonio Monteiro de Campos, e á sua custa impresso”. A primeira parte, ou tomo, é impressa em Lisboa na officina de Manuel Soares, 1753; e a segunda parte impressa tambem em Lisboa por Domingos Rodrigues, 1753.

Note-se que a dedicatoria a el-rei, assignada por Manuel Antonio Monteiro de Campos é sem a menor alteração a mesma que na outra edição se lê com a assignatura de Luiz de Moraes.

Note-se igualmente que as licenças para a impressão da publicada por Monteiro de Campos tem as datas de maio e junho de 1753; e as da que publicou Moraes são datadas de setembro do mesmo anno. E, todavia, é esta ultima que se declara [erradamente] no frontispicio: “Segunda edição correcta e emendada”. A outra não tem declaração alguma, parecendo aliás que saíu primeiro. [...]

Innocencio possuía um exemplar da edição de Monteiro de Campos.

O conselheiro Figanière e Teixeira de Vasconcellos possuiam exemplares da de Moraes.

Foi este ultimo escriptor e illustre jornalista, um dos primeiros bibliophilos em notar as differenças das duas edições. [...]».

No plano cultural e científico, trata-se de uma rara descrição da história de Lisboa, com especial relevo para os estudos epigráficos, por ser testemunho de factos e fontes que o terramoto de 1755 veio destruir ou soterrar.



ANDRADE, JOSÉ SERGIO VELLOSO D’ – Memoria sobre Chafarizes, Bicas, Fontes, e Poços Públicos de Lisboa, Belem, e Muitos Logares do Termo. Lisboa, Na Imprensa Silviana, 1851. 1.ª edição. 24 cm x 16,7 cm. 8 págs. + 398 págs. + 5 desdobráveis (4 dos quais em extra-texto).



Modesta encadernação antiga em tela e papel de fantasia com rótulos na lombada, pouco aparado, sem capas de brochura.

Exemplar muito estimado; miolo limpo.
Peça de colecção.

230,00€ (IVA e portes incluídos)

«José Sergio Velloso de Andrade, Official arquivista da Camara Municipal de Lisboa, e hoje Administrador das obras das Aguas-livres, nomeado em 27 de Outubro de 1851. – N. em 1783, ao que pude colligir [...]

Esta Memoria, fruto de louvaveis e curiosas investigações, e abundante de noticias historicas e archeologicas, foi mandada imprimir á custa e por deliberação da Camara, sendo os exemplares entregues ao auctor, para d’elles dispor como lhe aprouvesse.

Segundo o que ouvi a pessoa conspicua e bem informada, o auctor aproveitou-se para ella em grande parte de subsidios que deixára preparados e dispostos o anterior archivista da Camara Joaquim AntonioLucio dos Sanctos, que tivera primeiro o pensamento de colligirtaesespecies; e foi ainda coadjuvado pelo seu collega, empregado no archivo, Francisco Xavier da Rosa.» (Fonte: Inocêncio Francisco da Silva, DiccionarioBibliographicoPortuguez, tomo V, Imprensa Nacional, 1860)


Retrato fotográfico de Júlio de Castilho

Júlio de Castilho, segundo visconde de Castilho, (Lisboa, 30 de Abril de 1840 — Lisboa, 8 de Fevereiro de 1919) foi um jornalista, poeta, escritor e político português, filho do escritor António Feliciano de Castilho. Distinguiu-se como olisipógrafo, publicando diversas obras sobre a cidade de Lisboa e juntando uma importante colecção pessoal de documentos sobre o tema, hoje depositada na Biblioteca Nacional de Lisboa.

Filho do escritor António Feliciano de Castilho e de sua segunda mulher D. Ana Carlota Xavier Vidal de Castilho e irmão do militar e político Augusto de Castilho, concluiu na Universidade de Coimbra o Curso Superior de Letras, enveredando cedo pela vida literária e pelo jornalismo, publicando poesia e diversas obras de carácter histórico e bio-bibliográfico.

Foi primeiro-oficial da Biblioteca Nacional de Lisboa, desenvolvendo aí diversos trabalhos de investigação na área da bibliografia e da biografia.

Foi correspondente literário em Lisboa do Diário Oficial do Rio de Janeiro. As suas cartas saíam nos números dos domingos, tornando-se notáveis pela variedade e escolha dos assuntos científicos e literários, e pela elegância e elevação do estilo. Ainda na area do jornalismo, colaborou em diversas publicações periódicas, nomeadamente no Arquivo Pitoresco (1857-1868), na Revista Contemporânea de Portugal e Brasil (1859-1865), Gazeta Literária do Porto (1868), O Occidente (1878-1915), Lusitânia (1914) e A semana de Lisboa (1893-1895).

As suas actividades como jornalista levaram-no a fazer uma passagem pela política, sendo nomeado governador civil da Horta em Outubro de 1877. Exerceu estas funções até Fevereiro de 1878, sendo exonerado devido à mudança de partido do Governo em Lisboa. No ano seguinte (1878) foi nomeado para o mesmo cargo, mas no distrito de Ponta Delgada, mas não chegou a tomar posse do lugar.


Júlio de Castilho na sua juventude

O título de visconde de Castilho foi-lhe concedido em verificação de vida no de seu pai, por decreto de 1 de Abril de 1873.

No ano de 1906 foi-lhe atribuída a tarefa de professor de História e de Literatura Portuguesa do Infante D. Luís. Foi também cônsul de Portugal em Zanzibar.

Foi sócio efectivo da Associação dos Arquitectos e Arqueólogos Portugueses e sócio correspondente da Academia das Ciências de Lisboa, do Instituto de Coimbra, do Gabinete Português de Leitura de Pernambuco, do Instituto Vasco da Gama de Nova Goa e da Associação Literária Internacional de Paris.

Durante a sua passagem pelo Governo Civil da Horta foi feito sócio honorário do Grémio Literário Faialense e do Grémio Literário Artista da Horta.




CASTILHO, JULIO DE – Lisboa Antiga.Lisboa, Antiga Casa Bertrand – José Bastos, 1902 a 1904. 2.ª edição («Consideravelmente accrescentada»). 5 volumes (completo). 20 cm x 13 cm. [480 págs. + 4 folhas em extra-texto + 7 desdobráveis em extra-texto] + [408 págs. + 8 folhas em extra-texto] + [436 págs. + 19 folhas em extra-texto + 1 desdobrável em extra-texto] + [330 págs. + 7 folhas em extra-texto + 6 desdobráveis em extra-texto] + [448 págs. + 7 folhas em extra-texto].



Ilustrados no corpo do texto e em separado.
Exemplares muito estimados; miolo limpo, assinaturas de posse nos ante-rostos.

260,00€ (IVA e portes incluídos)

Os vertentes cinco volumes são a ampliação do primeiro volume da edição primitiva, datada de 1879, cingindo-se, então como agora, no objecto em estudo, ao Bairro Alto.


Mário Saa

Mário Paes da Cunha e Sá (Caldas da Rainha, 18 de Junho de 1893 — Ervedal, 23 de Janeiro de 1971) foi um escritor português.

Mário Paes da Cunha e Sá, que adoptou Mário Saa como nome literário, descendia de uma família de grandes proprietários da elite económica e social do concelho alentejano de Avis. Aquando do seu nascimento, o seu pai era notário e sub-delegado no julgado de Óbidos, vivendo nas Caldas da Rainha. Em 1895, a sua família volta para Avis e o seu pai constrói o Monte de Pero Viegas, onde Mário Saa residiu quase toda a vida. Recebeu formação no colégio de S. Fiel, em Louriçal do Campo (Beira Baixa), no Liceu de Évora e, em 1913, era aluno do Instituto Superior Técnico. Através da revista Presença (n.º 19, 1929), sabe-se que em 1917 continuaria a frequentar o IST. No ano seguinte inscreveu-se no curso Ciências Matemáticas na Universidade de Lisboa e, em 1930, no curso de Medicina da mesma Universidade, não tendo, no entanto, concluído qualquer das licenciaturas.


Mário Saa

A vida de Mário Saa repartiu-se entre a administração agrícola das suas propriedades e a investigação e produção literária. Em consonância com o perfil dos intelectuais do seu tempo dedicou-se e interessou-se por temáticas distintas publicando várias obras e numerosos artigos em periódicos. Dedicou-se à filosofia, à genealogia, à geografia antiga, à poesia, à problemática camoniana, às investigações arqueológicas, e mesmo à astrologia e à grafologia. O seu interesse pela arqueologia e a investigação que realizou sobre vias romanas deram origem à sua obra de maior importância, As Grandes Vias da Lusitânia, em seis volumes, o produto de mais de 20 anos de investigações e prospecções arqueológicas que é, ainda hoje, uma obra de referência. A par com a arqueologia, Mário Saa destacou-se, também, no panorama da poesia portuguesa das décadas de 20 e 30 do século XX, publicando com assiduidade na revista Presença e privando com os grandes poetas e intelectuais da época no âmbito da boémia literária da Brasileira do Chiado. Em 1959 colaboraria ainda no primeiro número da revista Tempo Presente.

Também se encontra colaboração da sua autoria na revista Sudoeste (1935) dirigida por Almada Negreiros.




SAA, MARIO – Origens do Bairro-Alto de Lisboa.Verdadeira Noticia.Lisboa, Edição da Solução Editora, 1929. 1.ª edição. 26,3 cm x 18,3 cm. 16 págs.

Exemplar bem conservado; miolo limpo, por abrir.

45,00€ (IVA e portes incluídos)

Continua a ser ainda hoje o mais importante estudo acerca do referido bairro (que comemora este ano os seus cinco séculos de existência), onde se lê a dado passo: «[...] O 15 de Dezembro de 1513 é a data da fundação do Bairro-Alto por corresponder á data da escritura tabelónica que iria desde logo iniciar aforamentos para construções de casas.

O nome que se lhe deu de inicio foi Vila Nova d’Andrade [...]».

E tudo quanto Saa afirma encontra-se documentado e de disponível consulta na Biblioteca da Academia das Ciências, como o próprio investigador indica em nota de contracapa. Isto numa época de rochas martins que historiavam à matroca, o mais das vezes publicitando juízos do preconceito corrente, mas sem o mínimo fundamento positivo.


Presidente do Conselho
de Ministros de Reino de Portugal Portugal
(1.ª vez)

Bernardo de Sá Nogueira de Figueiredo (Santarém, 26 de Setembro de 1795 — Lisboa, 6 de Janeiro de 1876), Moço fidalgo da Casa Real, par do reino, marechal de campo, foi um político português do tempo da Monarquia Constitucional e um importante líder do movimento setembrista em Portugal. Um dos líderes do Partido Histórico, o qual abandonou para formar o seu próprio movimento, o Partido Reformista. Assumiu diversas pastas ministerais e foi por cinco vezes presidente do Conselho de Ministros (1836 – 1837, 1837 – 1839, 1865, 1868 – 1869 e 1870), para além de presidente interino do Conselho de Ministros em substituição do Duque de Loulé (1862). Par do Reino desde 1834, foi o obreiro da abolição da escravatura em todos os territórios portugueses, por ele decretada definitivamente em 1869.


General Bernardo de Sá Nogueira de Figueiredo
(Marquês de Sá da Bandeira)

Foi primeiro barão (1833), primeiro visconde (1834) e primeiro marquês de Sá da Bandeira(1854).



SÁ DA BANDEIRA, marquês e general – Memoria sobre as Fortificações de Lisboa.Lisboa, Imprensa Nacional, 1866. 1.ª edição. 22,6 cm x 14,7 cm. 10 págs. + 116 págs.

Exemplar estimado; miolo limpo.

70,00€ (IVA e portes incluídos)

Bernardo de Sá Nogueira de Figueiredo (1795-1876), «[...] Visconde e primeiro Barão de Sá da Bandeira, Par do Reino, Moço Fidalgo da Casa Real por alvará de 21 de Agosto de 1823; Commendador da Ordem da Torre e Espada, condecorado com a Cruz de quatro campanhas da guerra peninsular, GrãoCruz das Ordens de Isabel a Catholica de Hespanha, de Leopoldo da Belgica, e do Salvador da Grecia, Grande Official da Legião de Honra de França: Ministro d’Estado Honorario, e actualmente [1858] dos Negocios da Marinha e Ultramar; Marechal de Campo; Director da Eschola do Exercito; e Presidente do Conselho Ultramarino, Socio da Acad. R. das Sc. [Academia Real das Ciências] de Lisboa etc. [...]

Foi posteriormente agraciado com o titulo de Marquez de Sá da Bandeira. É Conselheiro d’Estado effectivo, primeiro Ajudante de campo d’ElRei, e General de divisão promovido ainda com a denominação de Tenentegeneral em 21 de Septembro de 1857. Além das condecorações honorificas já mencionadas, tem as Grancruzes da Ordem de Francisco José de Austria, S. Gregorio Magno de Roma, da Rosa do Brasil, e de S. Mauricio e S. Lazaro da Italia; e a medalha n.º 9 das Campanhas da Liberdade. [...]

Neste livro, que contém mais do que o título inculca, achamse entre outras espécies históricas e relativas ao assumpto, umas Observações sobre o estado do exército portuguez, e vicissitudes por que tem passado desde 1807 [...].» (Fonte: Inocêncio Francisco da Silva, Diccionario Bibliographico Portuguez, tomos I e VIII, Imprensa Nacional, Lisboa, 1858 e 1867)


Luís Pastor de Macedo em 1954
(Foto de Claudino Madeira, Arquivo Municipal)

Luís Pastor de Macedo (Lisboa/23.02.1901 – 13.11.1971/Lisboa), nascido na antiga Freguesia da Madalena, era comerciante proprietário de uma casa de panos na Rua dos Fanqueiros que foi também um dos fundadores e organizadores do Grupo «Amigos de Lisboa», tendo redigido os seus estatutos e nela desempenhado o cargo de Secretário-Geral. É assim que na 1ª Comissão Consultiva Municipal de Toponímia de Lisboa, e do país, em 1943, Pastor de Macedo é para ela nomeado, em representação do Grupo «Amigos de Lisboa». Introduziu nesta Comissão, juntamente com o Eng.º Vieira da Silva, o debate sobre as bases segundo as quais a Comissão se orientaria. E quando em 1947 foi substituído por Durval Pires de Lima nesta Comissão de Toponímia, por ter sido nomeado Presidente Substituto da CML, continuou a comparecer várias vezes às reuniões da Comissão, tendo mesmo sugerido vários nomes de ruas, nomeadamente que ao Sítio de Alvalade fossem atribuídos nomes de artistas, bem como, alterações ao estudo de Durval Pires de Lima sobre a Toponímia de Lisboa.



Edital da Câmara Municipal de Lisboa
de 19 de Julho de 1948

Na sua carreira política foi nomeado vogal da 2.ª Comissão Administrativa da CML em 1932, durante o período da ditadura militar- já que com o golpe militar de 26 de maio de 1926 foram criadas Comissões Administrativas com o objectivo de assegurar a actividade camarária-, quando era Presidente Adriano da Costa Macedo. No ano seguinte, quando Henrique Linharesde Lima foi nomeado presidente da Comissão Administrativa foi novamente escolhido como vogal porque era alguém com «um nome respeitável no comércio de Lisboa, autor de trabalhos muito interessantes sobre arqueologia.», sendo-lhe atribuído o pelouro das edificações urbanas e exerceu este cargo até 1935, tendo sido responsável pela realização das festas da cidade em junho de 1934 e de 1935. Em 1945, foi eleito deputado à Assembleia Nacional, mandato a que renunciou em 1947, quando em abril foi nomeado Presidente Substituto da CML, cargo que como Vice-Presidente exerceu de 1949 até 1959, sendo responsável pela Comemoração do VIII Centenário da Tomada de Lisboa ao Mouros e pela edição municipal de obras de temática olisiponense, tal como fez no Grupo «Amigos de Lisboa». Foi ainda Comissário do Governo junto do Teatro Nacional de D. Maria I de 1943 a 1946.


Edital da Câmara Municipal de Lisboa
de 13 de Maio de 1949

Finalmente, Luís Pastor de Macedo foi também autor de várias obras sobre Lisboa e a sua história. Além da colaboração regular no boletim Olisipo, do Grupo «Amigos de Lisboa», contam-se entre as suas publicações O Terramoto de 1755 na Freguesia da Madalena (1929), A Igreja de Santa Maria Madalena de Lisboa (1930), A Rua das Pedras Negras (1931), O Antigo Terreiro do Trigo (1932), A Baixa Pombalina (1938), A Rua das Canastras (1939), os 5 volumes de Lisboa de Lés-a-Lés (1940-1943) e em colaboração com Gustavo de Matos Sequeira, A Nossa Lisboa (1945), bem como com Norberto de Araújo Casas da Câmara de Lisboa – do Século XII à Actualidade (1951).


Edital da Câmara Municipal de Lisboa
de 06 de Março de 1952

(Fonte: A Rua Luís Pastor de Macedo, olisipógrafo da Comissão de Toponímia e Vice-presidente da CML –  https://toponimialisboa.wordpress.com/2016/04/01/a-rua-luis-pastor-de-macedo-olisipografo-da-comissao-de-toponimica-e-vice-presidente-da-cml/)



MACEDO, LUIZ PASTOR DE – A Rua das Canastras. Subsídios para a história das serventias públicas da freguesia da Sé de Lisboa. Lisboa, s.i. [ed. Autor?], 1939. 1.ª edição
21,5 cm x 14,4 cm. 104 págs.

Exemplar estimado; miolo limpo.

20,00€ (IVA e portes incluídos)



TEIXEIRA, LUIZ – Lisboa e os Seus CronistasLisboa, Publicações Culturais da Câmara Municipal de Lisboa, 1943. 1.ª edição. 19,3 cm x 13,2 cm. 66 págs.

Exemplar muito estimado; miolo limpo.
VALORIZADO PELA DEDICATÓRIA MANUSCRITA DO AUTOR.

22,00€ (IVA e portes incluídos)

Para além da palestra proferida por Luís Teixeira no acto de entrega de um prémio literário ao escritor Luís Pastor de Macedo, é de crucial importância a longa resenha bibliográfica de «Algumas obras dos cronistas, dos estudiosos e dos poetas de Lisboa», que completa a vertente brochura, e cujas espécies nos são apresentadas distribuindo-se pelos séculos, com início no século XII.


Rua da Bica do Sapato, 1951
(Foto Eduardo Portugal)

E, com este conjunto de livros que aborda vários estudos e romances de cunho local sobre esta bela cidade de Lisboa (ou não fosse eu um apaixonado pela minha cidade natal…), me despeço com votos de um bom fim de semana.

Saudações bibliófilas


Teatro Maria Vitória no Parque Mayer em meados de 1943


Nota: Os descritivos e as fotografias dos livros apresentados são da responsabilidade e copyright de Frenesi Loja, no entanto introduzi alguma alterações na sua disposição, para estarem de acordo com a forma habitualmente aqui apresentada.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Livros sobre Portugal na In-Libris


Na sua Montra de 19 de Junho a In-Libris, Rua do Carvalhido, 194 | Porto 4250-101| Portugal, propõe alguns livros de viagens ilustrados sobre Portugal do séc. XVIII e XIX.



Compreende um pequeno, mas muito bom lote de livros, de aparição pouco frequente no mercado e, alguns deles, com muito boa procura no estrangeiro.

Vejamos então estes livros:





15033-LL. BRADFORD (William). — SKETCHES // OF THE // COUNTRY, CHARACTER, AND COSTUME, // IN // PORTUGAL AND SPAIN, // MADE DURING THE CAMPAIGN, AND THE ROUTE // OF // THE BRITISH ARMY, // IN // 1808 AND 1809. // ENGRAVED AND COLOURED FROM THE DRAWINGS // BY // THE REV. WILLIAM BRADFORD, A.B. // ... // WITH // INCIDENTAL ILLUSTRATION, & APPROPRIATE DESCRIPTIONS, OF EACH SUBJECT. // ... // London: // PRINTED FOR JOHN BOOTH DUKE STREET, PORTLAND PLACE. 27,5x37 cm. E. 4.300,00 €









Um dos mais belos e valiosos livros ingleses sobre Portugal, especialmente estimado pelas 55 primorosas aquatintas coloridas à mão representando paisagens, monumentos, costumes civis, religiosos e militares. Estas gravuras são acompanhadas, cada uma delas, de uma folha com texto descritivo em inglês e francês. Refira-se que este exemplar apresenta 3 aquatintas que têm Sintra como motivo, mais uma do que as anunciadas no Índice e que a maioria dos exemplares aparecidos à venda não têm.









Exemplar da primeira tiragem, a mais valiosa, procurada e rara. — PEÇA DE COLECÇÃO.









Encadernação da época, inteira de carneira, com ferros a ouro e a ouro na lombada e pastas, decorada igualmente nas seixas  a ouro fino. Cantos com algum desgaste.



15492-LL. MURPHY (James). — TRAVELS // IN // PORTUGAL; // Through The PROVINCES of ENTRE DOURO E MINHO, // BEIRA, ESTREMADURA, and ALEM-TEJO, // In the Years 1789 and 1790. // Consistings of// Observations on the Manners, Customs, Trade, Public Buildings,// Arte, Antiquities, &c. of that Kingdom. By...// Illustrated with PLATES.// London;// Printed for A. Strahan, and T. Cadell Jun, and W. Davies (Successors to Mr. Cadell) in the Strand.// 1795. 24,5x30,5 cm. XII-311-I págs. E. 1.500,00 €





PRIMEIRA EDIÇÃO deste célebre livro inglês sobre Portugal, escrito pelo Arquitecto James Murphey  ao serviço de William Conyngham, com a tarefa de desenhar o Mosteiro da Batalha. A esta tarefa, seguiu-se um périplo pelo país. Travels in Portugal, é um diário ilustrado desta sua viagem.







Obra primorosamente composta e impressa, ilustrada com 24 belas gravuras abertas a buril em chapa de metal, apresentadas em folhas à parte, gravuras que representam vistas de monumentos, usos e costumes, uma planta da cidade de Lisboa (desdobrável), a dança do fandango, inscrições antigas, etc.







Encadernação com lombada em pele, decorada a ouro. Exemplar em óptimo estado de conservação à parte algumas manchas de acidez características da composição do papel e comuns a todos os exemplares que temos visto. Rara peça de colecção.



15491-LL. KINSEY (W. M.). — PORTUGAL ILLUSTRATED. Embellished with A Map, Plantes of Coins; Vignettes, Modinhas, and various Engravings os Costumes, Landscape Scenery, &c. Second Edition. London: Published for the Author, by Treuttel and Wurtz, Treuttel Jun. and Richter. 1929. 17x26,5 cm. VI-LV--564+ estampas. E. 850,00 €







Importante livro inglês sobre Portugal, ilustrado com um mapa de Portugal em folha dupla, dezassete outras gravuras abertas a buril em chapa de cobre representando vistas de Coimbra, Sintra, Porto, Valença, Ponte de Lima, vistas do Douro, Castelo de Leiria, Batalha, etc. e ainda com 36 belas águas-tintas reproduzindo trajos e costumes religiosos e civis de entre os quais: Carmelito descalçado, Carmelite monk calçado, Female peasant in the market place of Braga, A Portuguese peasant in his holyday dress, Peasant of Guimarães, Gallego or water carrier of Oporto, Peasant selling ducks at Porto, etc.







Encadernação da época com lombada em "chagrin" que, decorada a ouro e nervuras, apresenta algum desgaste natural da idade. Dourado em todos os cortes. Miolo com algumas manchas de acidez, próprias do papel.



PEÇA DE COLECÇÃO de grande procura no mercado internacional.



15495-LL. LINK (H.F.). — TRAVELS IN PORTUGAL, and through France and Spain with a dissertation on the Literature of Portugal and the Spanish and Portugueze Languages. Translated from the german by JONH HINCKLEY, Esq. with notes by the translator. London. Printed for T. N. Longman and O. Rees, Paternoster Row.  1801. 13x21 cm. VIII-504 págs. E. 600,00 €

“That zealous and active patron of Natural History, the Count of Hoffmannfegg, who is himself to great a proficientin the science, being delirous of a companion in his Travels to Portugal not wholly unexperienced in Botany and Mineralogy, I had the honour to be chosen to that important post (...)” Retirado do Prefácio.



Obra do famoso naturalista alemão onde reúne observações curiosas sobre Portugal, nomeadamente, Coimbra, Porto, Douro vinhateiro, região algarvia, etc.

De invulgar aparecimento no mercado.

Encadernação recente, decorada a ouro e nervuras na lombada.



15496-LL. AN OFFICER (Robert Ker Porter). — LETTERS FROM PORTUGAL AND SPAIN. Written during the March of The British Troops under Sir John Moore with a Map of the Route, and Appropriate Engravings. London: Printed for Longman, Hurst, Rees, and Orme. 1809. 14x22,5 cm. 320 págs. E. 580,00 €



“The following Letters contain an account of the march and actions of the British army under Sir John Moore, from the day of their departure from Lisbon to that in wich they embarked at Corunna. They were written on the spot, and immediately as the events arose, of which they are the subjects (...)”.



Ilustrado com seis gravuras (água-forte?) e um mapa impresso em folha desdobrável.

Encadernação recente com lombada e cantos em pele, decorada a ouro e nervuras na lombada.



15497-LL. BOURGOING (J. Fr.). — TRAVELS OF THE DUKE DE CHATELET IN PORTUGAL comprehending Interesting Particulars relative to the Colonies; the Earthquake of Lisbon; The Marquis de Pombal, and the Court. The Manuscript revised, corrected, and enlarged, with Notes on the present State of the Kingdom and Colonies of Portugal by... Translated from the french by John Joseph Stockdale. Illustrated with a Map of Portugal, and View of th Bay of Lisbon. London: Printed for John Stockdale, Piccadilly; and J. J. Stockdale. 1809. 13,5x21,5 cm. 2 vols. E. 450,00 €



Capítulos do I Vol. — Voyage to Lisbon and arrived at that city — The Queen’s coronation; II Climate and Origin of the Kingdom of Portugal; III - Geographical Description of Portugal; IV - Constitutions and Laws of Portugal; V - Religion; VI - Manners and Customs of the Portuguese; VII - Of the Government; VIII - Of the Portuguese Colonies; IX - Population; X - Commerce; XI - Agriculture.

Vol. II - XII - Army; XIII - The Navy; XIV - Imposts and Finances; XV - Science and Literature; XVI - Arts and Manufactures; XVII - Policy.



Ilustrados com um mapa de Portugal, impresso em folha desdobrável e uma vista da Baía de Lisboa, igualmente impresso em folha desdobrável.

Encadernações com lombadas em pele decoradas a ouro. A gravura da Torre de Belém, impressa em folha desdobrável que abre o primeiro volume, é uma reprodução. Todas as restantes são as originais.



15490-LL. JACKSON (Catarina Carlota Lady). — A FORMOSA LUSITANIA. Versão do inglez, prefaciada e annotada por Camillo Castello Branco. Porto. Livraria Portuensa — Editora. 1877. 18x25,5 cm. 448-IV págs. E. 300,00 €



Edição luxuosa, impressa sobre excelente papel e adornada com perfeitas e belas gravuras representando monumentos e aspectos pitorescos de Portugal. Um dos mais estimados e procurados livros da bibliografia estrangeira sobre o nosso país, com o acrescido interesse da participação nele da gloriosa e crítica pena de Camilo Castelo Branco.



Alguns dos capítulos: Lisboa vista ao Luar; Camas de Cortiça; Carros a bois; O aguadeiro; A moda das lunetas; Burrinhos; Bellezas de Cintra; A Penha Verde; Os apêrtos de mão; Primeira vista do Douro; O chafariz e as lavandeiras; Jornada ao Bussaco; A Matta; Subida à serra; etc.



Um dos mais interessantes e pitorescos retratos do Portugal do séc. XIX.



Encadernação editorial gravada a negro e ouro na lombada e pastas.



15494-LL. DENIS (Ferdinand). — PORTUGAL. Paris, Firmin Didot Frères, Éditeurs. MDCCCXLVI. 14x23 cm.  IV-439-I págs. E. 230,00 €



“(...) Le pays qu’on désigne des lors sous le nom de Portugal devient la dot de l’infante, et bien que ce territoire n’ait encore que le titre de comté. le monarque l’élève à la dignité d’État indépendant. Tel est le début héroique de ce petit royaume (...)”



Um dos estimados livros de autores estrangeiros sobre Portugal, ilustrado com 32 belas gravuras abertas a buril e impressas em folhas à parte representando retratos, monumentos, paisagens, etc.



Muito invulgar.



Encadernação com cantos e lombada em pele, sobriamente decorada a ouro. Preserva as capas da brochura. Tintado à cabeça com os restantes cortes por aparar.



Depois desta exaustiva descrição das obras referidas, resta-me desejar-vos boas leituras.


Saudações bibliófilas.