"Se não te agradar o estylo,e o methodo, que sigo, terás paciência, porque não posso saber o teu génio, mas se lendo encontrares alguns erros, (como pode suceder, que encontres) ficar-tehey em grande obrigação se delles me advertires, para que emendando-os fique o teu gosto mais satisfeito"
Bento Morganti - Nummismologia. Lisboa, 1737. no Prólogo «A Quem Ler»

quinta-feira, 29 de abril de 2010

1º Aniversário da «Tertúlia Bibliófila» – uma reflexão



“Acompanhando os livros vivemos as épocas
e vemos os personagens cujos nomes estão ligados a essas obras”
D. Manuel II



D. Manuel II

No dia do 1º aniversário deste blog, que pacientemente vou gerindo, escrevendo sobre os meus gostos literários e bibliófilos, sem descurar a referência, tanto quanto para isso “tenha engenho e arte” os elementos de história da impressão e do livro assim como dos eventos que dêem a conhecer a nossa riqueza bibliófila, quero prestar homenagem a alguns nomes marcantes da nossa bibliofilia e historia do livro.

Creio que a nossa bibliografia e história do livro estão um pouco mal estudadas, ainda que, em termos de bibliografia, tenhamos boas “ferramentas”.

Em relação à bibliografia do livro antigo, é mandatório referir-se o nosso rei D. Manuel II, então exilado em Inglaterra, pois que com ele teve uma das suas maiores expressões.

O seu trabalho «Livros Antigos da Biblioteca de Sua Majestade Fidelíssima» (três tomos publicados em Londres entre 1929 e 1932, o ultimo já postumamente), foi considerado, na época, de grande mérito, mesmo internacionalmente (como atesta a sua correspondência com Edgar Prestage e Maurice Ettinghausen).


«Os Lusíadas» de Luis de Camões
Lisboa : em casa de Antonio Gõçaluez, 1572. - [2], 186 f. ; 4º (20 cm)
Edição conhecida por edição "Ee"

Trata-se de um trabalho composto por textos críticos de grande rigor bibliográfico e simultaneamente um admirável enquadramento histórico-cultural de todas as obras analisadas.

Pode mesmo ser considerada como uma das primeira obras de História do Livro, e refira-se que quer na Europa quer na América, esta estava ainda nos seus primórdios quando se publicou o 1º tomo em 1929.



Diogo Barbosa Machado

Conjuntamente com «Biblioteca Lusitana» de Diogo Barbosa Machado e o «Dicionário Bibliográfico Português» de Inocêncio Francisco da Silva, de que já se deu aqui notícia, constitui uma das pedras angulares para o seu estudo.


Diogo Barbosa MACHADO.— BIBLIOTHECA LUSITANA. Tomo I (ao Tomo IV). Coimbra. Atlântida Editora.
MCMLXV (a MCMLXVII). 4 Vols. 20x28 cm. E. (1)


Edição fac-similada, conforme a primeira, publicada em 1741.Verdadeiro monumento da investigação bibliográfica portuguesa, reproduzida da original, sob os cuidados do competentíssimo Prof. Doutor Manuel Lopes de Almeida.
Trata-se, ainda hoje, de obra de consulta obrigatória para livreiros alfarrabistas, estudiosos e bibliófilos

Cabe aqui fazer referência também a José Vitorino Pina Martins, que se pode considerar como o nosso primeiro historiógrafo do livro. (2)

Com efeito, foi durante a sua estadia em Itália entre 1948 e 1955, como leitor de Língua e Literatura Portuguesa na Universidade de Roma «La Sapienza», que este se iniciou nos mistérios da História do Livro.



José Vitorino Pina Martins

Como afirma Artur Anselmo, outro nome a recordar e a ler obrigatoriamente, no seu livro «Estudos de História do Livro»: “Uma visão globalizante dos problemas do livro, apta a captar não só os traços marcantes da sua individualidade exterior mas, principalmente, tudo o que nele é fermento de vida e de cultura, eis a linha orientadora daquilo que se tem convencionado chamar «História do Livro»”



Artur ANSELMO – “Estudos de História do Livro”.
Lisboa, Guimarães Editores, 1997. 1ª edição. 189 (1) pp.

Resta-me agradecer a todos aqueles que tem tido a paciência de lerem, e de comentarem, os meus “ensaios” e “propostas de estudo”, pois estes artigos não passam disso mesmo.


Saudações bibliófilas

(1) Cortesia da Livraria in-libris.

(2) Não quero deixar de manifestar aqui o meu pesar pela morte do Prof. Dr. Pina Martins, no mesmo dia em que lhe rendia a minha sincera e reconhecida homenagem pelo seu trabalho de investigação.
Mais do que uma perda para a bibliofilia, pois será um vazio difícil de preencher, é sobretudo uma grande perda para a nossa cultura.

7 comentários:

Marco Fabrizio Ramírez Padilla disse...

Mi querido Rui.

¡Muchas felicidades por tu primer aniversario!

Te mando un fuerte abrazo.

Galderich disse...

Rui,
Muchas y fructífera felicidades. Las aportaciones a la bibliofília portuguesa tienen en este blog un digno continuador de todos los historiadores del libro portugués (biblíofilos) que enumeras.
Felcidades por este primer año de andanzas virtuales pero muy cerca de nosotros a pesar de la distancia.

lamberto palmart disse...

Felicidades por tu primer año entre nosotros. En el cual has logrado convertirte en referente ineludible en internet de la bibliofilia portuguesa.

Gracias por habernos dado la oportunidad de conocer los libros portugueses, que sin tu aportación hubiera sido muy dificil conseguirlo.

Saludos bibliófilos.

{anita} disse...

Parabéns pelo 1º aniversário do blog.
Sigo sempre.
felicidades!

Urzay disse...

Felicidades por este primer año, Rui. Y que el próximo sea igual de fructífero.
Saludos bibliófilos

Carlos Fernández disse...

Felicidades por tu aniversario y enhorabuena por tus artículos que como este último nos acercan a la bibliofilia y bibliografía portuguesas.
Un cordial saludo.

rui disse...

Caros amigos

Fico muito agradecido pelas vossas manifestações de apoio e estimulo que me transmitem. Com efeito, foi a partir das nossas conversas de “amizade virtual” que me decidi juntar ao vosso grupo.
Dentro das minhas limitações, tenho tentado transmitir o pouco que sabia e, sobretudo, o muito que tenho aprendido.
Ainda que não domine, com a vossa maestria, os conhecimentos bibliófilos, tenho-me esforçado por tentar transmitir uma imagem da bibliofilia do meu país, fazer a divulgação dos nossos autores e, com base nos meus contactos, dar uma ideia das variantes e flutuações dos gostos e procuras no mercado bibliófilo.
(claro que não resisto a falar daquilo que me dê um prazer especial: seja um catálogo, um evento ou mesmo um livro moderno que de alguma maneira me pareça poder-vos interessar..).
Espero continuar a merecer a vossa atenção e que os meus artigos vos tragam sempre algo de útil.
Anita, para si muito em especial, o meu muito obrigado pela sua dedicada fidelidade. Não posso esquecer que quase desde os primeiros artigos tem tido a paciência de me ler.

Vamos a mais um ano de trabalho na esperança que o vosso prazer de leitura seja sempre maior ao meu de escrever ...e acreditem que gosto mesmo muito de escrever!