"Se não te agradar o estylo,e o methodo, que sigo, terás paciência, porque não posso saber o teu génio, mas se lendo encontrares alguns erros, (como pode suceder, que encontres) ficar-tehey em grande obrigação se delles me advertires, para que emendando-os fique o teu gosto mais satisfeito"
Bento Morganti - Nummismologia. Lisboa, 1737. no Prólogo «A Quem Ler»

domingo, 17 de janeiro de 2010

400º Aniversário das descobertas de Galileo Galilei




Discorsi e dimostrazioni matematiche, intorno à due nuoue scienze Attinenti alla Mecanica & i Movimenti Locali del Signor Galileo Galilei linceo, Filosofo e Matematico primario del Serenissimo Gran Duca di Toscana. Con una Appendice del centro di grauità d’alcuni Solidi

Este 2010, celebra-se o 400º aniversário das descobertas de Galileo Galilei (1), astrónomo de Pisa considerado um dos pioneiros do pensamento científico moderno e de sua metodologia.

Foi há 400 anos, em 1610, quando publicou as suas descobertas, observadas através do telescópio, sobre o universo na sua obra Sidereus Nuncius em que afirmou que a Lua não era uniforme como se acreditava, mas que estava cheia de crateras e montanhas, afirmou também que Júpiter tinha satélites que giravam em seu redor e que a Via Láctea era formada por uma infinidade de estrelas. Como consequência destas investigações, começou a promover a teoria heliocêntrica, definida anteriormente por Copérnico, e com estas afirmações, começaram também os confrontos e ataques dos defensores da teoria geocêntrica, sobretudo a Igreja e, obviamente, a Inquisição.


Dialogo sopra i due Massimi sistemi del mondo e Tolemaico Copernico

Posteriormente, em 1632, e sem cumprir com todos os quesitos exigidos para a publicação duma obra, deu à estampa a sua grande obra prima Dialogo sopra i due Massimi sistemi del mondo e Tolemaico Copernico onde comparava as duass visões do mundo, defendendo o heliocentrismo como válida frente ao geocentrismo mencionado nas Sagradas Escrituras.
Com estas afirmações abriu de novo a brecha entre ciência e religião. Foi perseguido, processado e sentenciado a prisão domiciliária permanente pela Inquisição, onde negou as suas teorias para salvar a sua vida.

Faleceu em Arcertri em 1642, mas nem a sua prisão, nem a sua cegueira posterior o impediram de continuar a investigar, observar e publicar.

Fica aqui o repto para aqueles, bem mais conhecedores da matéria, tanto cientifica como bibliófila, e aqui interessa mais esta do que aquela, para com o seu contributo perpetuarem a memória deste homem da Ciência e Cultural, pois ele bem o merece,

Saudações bibliófilas.

IberLibro.com

(1) Artigo baseado numa “newsletter” de IberLibro.com.

(2) Leia-se aqui:
«Poema para Galileo» – António Gedeão
Exposições bibliográficas na Biblioteca Nacional de Portugal.

4 comentários:

Galderich disse...

Eppur si muove...

Una frase que resume perfectament su fuerza y volundad de Verdad.
Un ejemplo y un oportuno recuerdo.

Marco Fabrizio Ramírez Padilla disse...

Estimado Rui.

Comentario muy oportuno, para un año de celebración que sobradamente se merece un personaje como Galileo.

Nos presentas las imágenes de dos de los libros, con los que no pocos hemos soñado.

rui disse...

“Eppur si muove” es una frase que nos hace pensar en la fuerza de este hombre. Cuanto a estos libros tan preciosos, todos nosotros gustaríamos al menos de los admirar, de los tener en nuestras manos, o mejor, lograr a los hojear una vez, pues creo que para los poseer es muy difícil… ¡pero soñar es un de los privilegios del hombre!
Saludos bibliófilo

Diego Mallén disse...

Hay una nota bibliófila curiosa sobre la primera edición de los Dialogi... hace cuatro o cinco años se descubrió un lote importante de ejemplares que ha hecho bajar el precio de la obra que se ve ahora por todos los lugares.

Saludos bibliófilos.